Receitas de coquetéis, destilados e bares locais

Uma olhada na Ada Street em Chicago

Uma olhada na Ada Street em Chicago



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Conversamos com a chef Zoe Schor sobre o conceito do restaurante e sua atmosfera única

Chicago é uma cidade que costuma ser mais casual em sua cena gastronômica, mas leva sua comida muito a sério. É por isso que a nova Rua Ada se encaixa tão bem. Conversamos com a chef Zoe Schor sobre o restaurante, que começou basicamente como um conceito de bar, mas que os clientes também começaram a frequentar por causa de sua comida. “O conceito é que é um wine bar com um ótimo programa de coquetéis”, disse Schor. "Tentamos nos inspirar sazonalmente com nossas mordidas e pequenos pratos ... Acho que quando eles surgiram com o conceito, eles não sabiam que seria tão voltado para a comida. O que eu acho que é uma função do equipe que montamos e como somos apaixonados pela comida que estamos criando aqui. "

O restaurante também conquistou fãs por causa de alguns programas exclusivos destinados a fazer com que o espaço se sinta em casa - a música todas as noites é tocada a partir de um único disco e, no verão, eles lançam mesas de pingue-pongue, torneios de gamão e churrasqueiras. "Estamos fazendo isso de uma forma que nos divertimos, para que nossos convidados se divirtam muito", disse Schor.

Para saber mais, assista ao vídeo acima e siga para Ada Street em Chicago para experimentar a comida e também o ambiente!


Pelo menos 20 feridos na violência de fim de semana até a manhã de domingo

CHICAGO (STMW) & # 8212 Pelo menos 20 pessoas, incluindo uma garota de 10 anos, uma garota de 16 anos e um garoto de 15 anos, foram feridos em tiroteios em toda a cidade desde sexta-feira à noite.

Metade desses tiroteios ocorreram após a meia-noite todas as noites. Cinco dos disparos ocorreram na manhã de sábado e outros cinco ocorreram na madrugada de domingo. Oito tiroteios ocorreram na sexta-feira à noite e à noite.

As filmagens de sexta-feira incluíram:

Um homem cuja idade ainda não era conhecida foi baleado no ombro no bloco 2.200 da Avenida North Christiana em Humboldt Park por volta das 23h23, disse o oficial de notícias da polícia Ronald Gaines. Ele foi levado em boas condições para o Hospital Mount Sinai.

Às 20h49, um homem, cuja idade não era conhecida, foi baleado no braço no quarteirão de 6300 da North Rockwell Street em Rogers Park, disse Gaines. Ele foi levado ao Advocate Christ Medical Center em Oak Lawn em estado estável.

Armando Gutierez, de 25 anos, foi hospitalizado sob custódia policial depois de se matar com um tiro na perna no quarteirão 1000 da Avenida North Christiana por volta das 20h16, disse a polícia. Ele e um primo estavam segurando uma arma em seu quintal quando a arma disparou, atingindo-o na perna esquerda, disse o oficial de notícias John Mirabelli. Gutierez, um criminoso condenado, foi levado ao Hospital Stroger e acusado de conduta desordeira por apresentar um boletim de ocorrência falso porque inicialmente disse à polícia que outra pessoa o havia atirado e por violar sua liberdade condicional.

Um homem de 20 anos foi baleado no quadril por volta das 19h49. no bloco 3100 da West 61st Street em Englewood, disse o oficial de notícias da polícia, Daniel O’Brien.

Ele foi levado em estado grave para o Hospital Stroger, disse a polícia.

Por volta das 20h00, um homem de 31 anos foi baleado no braço e na lateral perto da East 89th Street e da South Escanaba Avenue, no bairro de South Chicago, disse Gaines.

Quase ao mesmo tempo, um homem de 23 anos foi baleado na perna esquerda no bloco 1000 da Avenida North Campbell em Humboldt Park, disse Gaines. Ele foi listado em condição estável em um hospital não identificado.

Um homem foi baleado nas costas no bairro de Southwest Side Marquette Park. O tiroteio aconteceu por volta das 4:14 da tarde. no bloco 4100 da West 78th Street, disse a polícia. O homem de 21 anos baleado nas costas foi levado ao Christ Medical Center. Sua condição não era conhecida.

A polícia disse que uma menina de 16 anos foi atingida por tiros em um tiroteio em Bronzeville, cerca de 14 minutos antes do tiroteio em Marquette Park. A menina foi baleada pouco depois das 16 horas. no bloco 4800 de South Drexel Boulevard, disse a polícia.

O adolescente levou um tiro na perna esquerda e sofreu uma lesão grave. Ela foi levada para o Hospital Northwestern Memorial em boas condições, disse a polícia.

Ela parece ter sido um alvo não intencional.

Dois homens, com idades desconhecidas, estavam no bloco 1300 da West 15th Street em Little Village por volta das 2h14, disse Gaines. Ambos foram baleados na perna e levados para o Hospital Stroger.

Uma menina de 10 anos foi baleada no bloco 1100 da Avenida North Keystone em Humboldt Park por volta de 1h42, quando um agressor desconhecido disparou uma bala pela janela de sua casa. perna e tratada no local.

Um homem de 18 anos foi baleado no peito no bloco 1300 da West 13th Street no Near West Side por volta das 12h32, disse Gaines. Ele foi levado em condição desconhecida para o Centro Médico da Universidade de Illinois em Chicago.

Um homem, de idade desconhecida, foi baleado no quarteirão 5200 da South Wood Street, em Back of the Yards, por volta das 12h07, disse Gaines. Ele foi levado em estado desconhecido para o Hospital Infantil da Universidade de Chicago Comer.

Dois homens entraram em uma mercearia no South Side depois de serem feridos em um tiroteio na tarde de sábado.

Uma das vítimas foi baleada nas nádegas e a outra no pulso no quarteirão 6500 da South Western Avenue por volta das 13h10, disse o oficial de notícias da polícia Michael Sullivan.

De acordo com relatórios de despacho não confirmados, os dois homens entraram em uma loja de alimentos em 6504 S. Western Ave. depois de serem baleados.

Um homem foi gravemente ferido em um bairro de Altgeld Gardens atirando na noite de sábado no Far South Side.

Um homem de 20 anos foi baleado no peito por volta das 20h05. Sábado, no bloco 13.000 da Avenida South Evans, de acordo com o oficial de notícias da polícia, Daniel O’Brien.

O homem foi levado em estado crítico para o Christ Medical Center, disse a polícia.

Um menino de 15 anos foi baleado na perna por volta das 19h05. no bloco 3800 da West Roosevelt Road, disse O’Brien. O menino foi listado em boas condições no local, segundo a polícia.

Dois homens foram baleados na manhã de domingo no bairro South Side Back of the Yards. O tiroteio ocorreu no bloco 5100 da Rua South Ada às 4:36 da manhã, disse Gaines.

Um homem foi baleado no abdômen e outro na perna. Ambos foram levados para o Hospital Stroger. Idades e condições não estavam imediatamente disponíveis.

A polícia disse que um homem foi baleado na perna na manhã de domingo no bairro de Brainerd, no South Side, depois que uma discussão com uma amiga se tornou violenta e seu namorado atirou nele.

O homem de 39 anos estava no bloco 9300 da Avenida South Racine por volta das 2 da manhã, na casa de uma amiga quando o tiroteio aconteceu, disse Mirabelli.

O namorado da mulher atirou no outro homem na perna depois que ele brigou com a mulher, disse Mirabelli.

O homem foi levado em condição desconhecida para o Christ Medical Center.

(Fonte: Sun-Times Media Wire e cópia Chicago Sun-Times 2012. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.)


As melhores opções de frutas são aquelas frescas, congeladas ou enlatadas sem adição de açúcar.

  • Se escolher frutas enlatadas, procure palavras como "embalado em seu próprio suco", "sem açúcar" ou "sem adição de açúcar".
  • Frutas desidratadas e suco de fruta 100% também são opções nutritivas, mas as porções são pequenas, então podem não ser tão satisfatórias quanto outras opções.

Para contadores de carboidratos

Um pequeno pedaço de fruta inteira ou cerca de ½ xícara de fruta congelada ou enlatada contém cerca de 15 gramas de carboidratos. As porções para a maioria das frutas silvestres frescas e melões variam de ¾ – 1 xícara. O suco de fruta pode variar de ⅓ – ½ xícara para 15 gramas de carboidratos.

Apenas duas colheres de sopa de frutas secas, como passas ou cerejas secas, contêm 15 gramas de carboidratos, então tome cuidado com o tamanho das porções!

As frutas podem ser consumidas em troca de outras fontes de carboidratos em seu plano alimentar, como amidos, grãos ou laticínios.

Para método de placa

Se usar o método do prato, comer um pedaço pequeno de fruta inteira ou ½ xícara de salada de frutas para sobremesa é um ótimo complemento para os vegetais sem amido, pequenas porções de amido e alimentos proteicos que estão no seu prato.

Para usar o índice glicêmico

A maioria das frutas tem baixo índice glicêmico (IG) por causa de seu teor de frutose e fibra. O melão e o abacaxi têm valores de IG médios, assim como algumas frutas secas, como tâmaras, passas e cranberries adoçadas.

De modo geral, as frutas são incentivadas ao usar o índice glicêmico para orientar as escolhas alimentares - então, divirta-se.


CPS fecha um total de 53 escolas, 61 edifícios

CHICAGO (CBS) & # 8212 As Escolas Públicas de Chicago anunciaram na quinta-feira um plano para fechar 53 escolas e 61 edifícios em um esforço para fechar um déficit orçamentário de US $ 1 bilhão & # 8212 uma proposta que foi imediatamente condenada pelo sindicato dos professores & # 8217 como prejudicial às minorias e aos pobres.

O Chicago Board of Education deve aprovar qualquer fechamento de escolas, o que afetará 30.000 alunos, e uma votação final é esperada em maio. É a maior escola fechada de um ano nos Estados Unidos.

A CEO das escolas, Barbara Byrd-Bennett, e o prefeito de Chicago, Rahm Emanuel, dizem que o fechamento é necessário porque muitos prédios escolares estão meio vazios. O distrito diz que tem vagas para mais de 500.000 alunos, mas tem apenas cerca de 403.000 alunos.

& # 8220Como os sistemas escolares de Nova York e Filadélfia, onde as matrículas caíram, Chicago deve fazer escolhas difíceis. Consolidar escolas é a melhor maneira de garantir que todos os alunos da nossa cidade recebam os recursos de que precisam para aprender e ter sucesso ”, disse Byrd-Bennett em uma carta publicada no site do CPS.

A presidente do Sindicato de Professores de Chicago, Karen Lewis, que deu uma entrevista coletiva na Mahalia Jackson Elementary School, um dos alvos de fechamento, condenou o plano do CPS como & # 8220classist & # 8221 e & # 8220racist. & # 8221 A maioria das escolas é predominantemente negra bairros nos lados sul e oeste.

Lewis disse que Emanuel estava se esquivando do problema saindo de férias esta semana.

"Ele é o prefeito assassino", disse ela, referindo-se aos recentes problemas da cidade com violência e homicídios. & ldquoOlha a taxa de homicídios nesta cidade. He & rsquos assassinando escolas, he & rsquos matando bons empregos. He & rsquos assassinando habitação. Não sei mais como chamá-lo. Ele é o prefeito assassino. & Rdquo

Pat Camden, porta-voz da Ordem Fraternal da Polícia de Chicago, disse que o sindicato da polícia está preocupado com a segurança dos alunos, caso os alunos precisem viajar mais para chegar às aulas.

& ldquoNossos recursos já estão esgotados e não sabemos como iremos para a próxima etapa & rdquo Camden disse.

Aqui está a lista, divulgada pelo Sindicato de Professores de Chicago. (As Escolas Públicas de Chicago forneceram a mesma lista de fechamentos de escolas, mas não incluíram as informações de fusão fornecidas pela CTU):

A Altgeld Elementary School, 1340 W. 71st St., será fechada em Wentworth.

Armstrong Elementary Math and Science, 5345 W. Congress Pkwy., Será fechado em Leland.

A Attucks Elementary School, 5055 S. State St., será extinta ao longo de dois anos e fechada em Beethoven.

Banneker Elementary School, 6656 S. Normal Blvd., será fechada em maio.

Bethune Elementary School, 3030 W. Arthington St., será fechada para Gregory.

A Bontemps Elementary School, 1241 W. 58th St., será fechada em Nicholson.

O Centro de Educação Especial de Buckingham, 9207 S. Phillips Ave., será fechado em Montefiore.

A Calhoun North Elementary School, 2833 W. Adams St., será fechada em Cather.

A Canter Middle School, 4959 S. Blackstone Ave., será fechada em Hart, Ray.

Delano Elementary School, 3937 W. Wilcox St., será fechada para Melody.

A Dumas Technology Academy Elementary School, 6650 S. Ellis Ave., será fechada em Wadsworth.

A Roque De Duprey Elementary School, 2620 W. Hirsch St., será fechada em DeDiego.

A Emmet Elementary School, 5500 W. Madison St., será fechada em Ellington, DePriest.

A Ericson Elementary Scholastic Academy, 3600 W. 5th Ave., será fechada em Sumner.

A Fermi Elementary School, 1415 E. 70th St., será fechada para South Shore Fine Arts.

A Garfield Park Prep Academy Elementary School, 3250 W. Monroe St., será fechada em Faraday.

Garvey M Elementary School, 10309 S. Morgan St., será fechada em Mount Vernon.

Goldblatt Elementary School, 4257 W. Adams St., será fechada em Hefferan.

Goodlow Elementary Magnet School, 2040 W. 62nd St., será fechada em Earle.

A Henson Elementary School, 1329 S. Avers Ave., será fechada na C. Hughes.

Herbert Elementary School, 2131 W. Monroe St., será fechada em Dett.

A Key Elementary School, 517 N. Parkside Ave., será fechada em Ellington.

A King Elementary School, 740 S. Campbell Ave., será fechada em Jensen.

A Kohn Elementary School, 10414 S. State St., será fechada em Cullen, Lavizzo, L. Hughes.

Lafayette Elementary School, 2714 W. August Blvd., será fechada em Chopin.

A Lawrence Elementary School, 9928 S. Crandon Ave., será fechada em Burnham.

A Escola Primária Manierre, 1420 N. Hudson Ave., será fechada em Jenner.

A Escola Primária Mahalia Jackson, 917 W. 88th St., será fechada em Fort Dearborn.

A Marconi Elementary Community Academy, 230 N. Kolmar Ave., será fechada em Tilton.

Maio Elementary Community Academy, 512 S. Lavergne Ave., será fechada em Leland.

A Mayo Elementary School, 249 E. 37th Street, será fechada em Wells.

Morgan Elementary School, 8407 S. Kerfoot Ave., será fechada em Ryder.

Perto da North Elementary School, 739 N. Ada St., será fechada em Montefiore.

A Overton Elementary School, 221 E. 49th St., será fechada em Mollison.

Owens Elementary Community Academy, 12450 S. State St., será fechada para Gompers.

A Paderewski Elementary Learning Academy, 2221 S. Lawndale Ave., será fechada em Cardenas e Castellanos.

A Parkman Elementary School, 245 W. 51st St., será fechada em Sherwood.

A Peabody Elementary School, 1444 W. August Blvd., será fechada na Otis.

Pershing West Middle School, 3200 S. Calumet Ave., será fechada em Pershing East.

A Escola Primária Pope, 1852 S. Albany Ave., será fechada em Johnson.

Ross Elementary School, 6059 S. Wabash Ave., será fechada em Dulles.

A Ryerson Elementary School, 646 N. Lawndale Ave., será fechada na Ward.

A Sexton Elementary School, 6020 S. Langley Ave., será fechada na Fiske.

O Instituto de Aprendizagem Elementar Songhai, 11725 S. Perry, será fechado em Curtis.

Stewart Elementary School, 4525 N. Kenmore Ave., será fechada em Brennemann.

Stockton Elementary School, 4420 N. Beacon St., será fechada em Courtenay.

A Trumbull Elementary School, 5200 N. Ashland Ave., será fechada em Chappell, McPherson, McCutcheon.

A Von Humboldt Elementary School, 2620 W. Hirsch St., será fechada em De Diego.

A West Pullman Elementary School, 11941 S. Parnell Ave., será fechada em Haley.

Williams Middle Prep Academy, 2710 S. Dearborn St., será fechada em Drake.

A Williams Multiplex Elementary School, 2710 S. Dearborn St., será fechada em Drake.

A Woods Elementary Math & amp Science Academy, 6206 S. Racine Ave., será fechada em Bass.

A Yale Elementary School, 7025 S. Princeton Ave., será fechada em Harvard

Para obter um resumo detalhado dos planos da CPS e as audiências públicas associadas a eles, clique aqui.

Na Escola Primária Jean D. Lafayette, o diretor informou aos professores e funcionários na manhã de quinta-feira que a escola do bairro Humboldt Park está na lista de encerramento das escolas. A escola tem aproximadamente 470 alunos, mais de 170 deles com autismo.

A professora Rosemary Maurello disse à Associated Press que cartas e pacotes de informações já estavam sendo enviados aos pais, e a mensagem do distrito aos professores incluía uma menção a planos específicos para transferir os alunos Lafayette para outra escola a cerca de 10 quarteirões de distância.

& # 8220Parece-me um negócio fechado & # 8221 disse Maurello.

Como muitos professores, ela está preocupada com o destino de seus alunos. Como professora estável, o contrato permite que ela acompanhe seus alunos até a nova escola, mas ela se pergunta se alguns deles optarão por ir para outras escolas.

Um grupo de pais e residentes locais com o grupo comunitário Action Now estavam realizando uma série de marchas de protesto na manhã de quinta-feira, fora das casas de três membros do Conselho de Educação de Chicago, para expressar sua indignação com os planos de fechamento de escolas.

Cantando & ldquono fechamentos de escolas! & Rdquo, os ativistas fizeram seu primeiro protesto fora da casa do membro do conselho Andrea Zopp no ​​bairro de Morgan Park. Zopp também é o chefe da Chicago Urban League.

Um manifestante disse: "O fechamento de escolas está acontecendo principalmente em comunidades afro-americanas, e Zopp não fez nada para impedi-lo".

Os oponentes dos planos de fechamento das escolas disseram que a mudança não seria boa para os alunos ou seus bairros. Os manifestantes marcharam, cantaram e deram entrevistas por cerca de 20 minutos antes de irem para as casas dos membros do conselho David Vitale e Penny Pritzker.

O sindicato dos professores também planejou uma manifestação para protestar contra o fechamento das escolas na próxima quarta-feira no Daley Plaza.

O distrito disse que é muito caro manter todos os prédios abertos, quando tem 330 escolas que considera subutilizadas e enfrenta um déficit orçamentário projetado de US $ 1 bilhão.

(TM e cópia Copyright 2013 CBS Radio Inc. e suas subsidiárias relevantes. CBS Radio and EYE Logo TM e Copyright 2013 CBS Broadcasting Inc. Usado sob licença. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído. Associated Press contribuiu para este relatório.)


Golden Pearl (Saltaire, Port Chester, N.Y.)

Para este sorvete elegante, pedaços de abacaxi são grelhados e espremidos para obter doçura caramelizada. Esse “suco de abacaxi grelhado” é então misturado com rum envelhecido e fava de baunilha.


& # 8216Estamos & # 8217 rumando para uma enorme crise imobiliária & # 8217

Raul Raymundo, CEO do The Resurrection Project, é visto dentro de uma casa recém-construída pela organização na South Ada Street em Chicago em 18 de novembro.

Terrence Antonio James | Chicago Tribune / TNS

CHICAGO & # 8212 As listas de desejos de fim de ano podem parecer um pouco diferentes este ano, mas quando se trata de desejos para o setor imobiliário em uma escala maior, não é nenhuma surpresa o que especialistas e líderes locais esperam encontrar sob a árvore metafórica.

No centro de suas preocupações está uma visão sombria de como a taxa econômica da pandemia COVID-19 & # 8217 afetará a insegurança habitacional. Como a perda de empregos e as dificuldades econômicas deixam muitos incapazes de pagar aluguel ou hipotecas, um relatório de agosto descobriu o potencial para a crise habitacional mais severa da história dos EUA. Se as condições não mudarem, até 43% das famílias de locatários podem estar em risco de despejo até o final do ano.

Mas com o novo ano também virá uma nova administração. Enquanto os candidatos às eleições republicanas continuam a lutar nos principais estados de batalha vencidos pelo presidente eleito Joe Biden, outros aguardam com esperança a próxima administração de Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris & # 8212, de eleitores pela primeira vez a imigrantes.

O Chicago Tribune entrou em contato com especialistas e defensores da área imobiliária e perguntou o que eles gostariam de ver da nova administração no que diz respeito ao setor imobiliário. Isso é o que eles tinham a dizer. (As entrevistas a seguir foram condensadas e editadas.)

Andy Schcolnik, presidente da Southside Builders & # 8217 Association

& # 8220Muitos fornecedores de habitação de pequeno e médio porte estão sendo destruídos pela moratória de despejo & # 8221, disse Andy Schcolnik, presidente da Southside Builders & # 8217 Association. & # 8220Se os inquilinos vão obter alívio, o provedor de habitação precisa obter alívio, na forma de subsídios ou concessões para compensar a perda de renda. & # 8221

Schcolnik, cuja organização sem fins lucrativos reúne construtores profissionais, incorporadores e outros no setor imobiliário em torno de uma missão para rejuvenescer o lado sul de Chicago, # 8217, disse que cabe ao governo assumir o ônus de apoiar os locatários sem prejudicar proprietários e fornecedores de habitação.

Uma opção que ele sugeriu seria um programa de vouchers federais de escolha de moradias expandido, que cobriria mais moradias subsidiadas. O inquilino paga uma parte do aluguel, dependendo da renda, e o governo cobre o restante.

& # 8220Isso funcionou muito bem para nós & # 8221, disse ele.

Raul Raymundo, CEO e cofundador do The Resurrection Project

Antes que o país possa começar a se recuperar da pandemia, mais ajuda é necessária para reparar os danos causados ​​pela Grande Recessão há uma década, disse Raul Raymundo.

& # 8220A recuperação da Grande Recessão foi completamente desequilibrada & # 8221, disse ele. & # 8220Nós & # 8217 tivemos uma benção em certas comunidades & # 8212 avaliações, valor das propriedades aumentando. Mas comunidades de baixa renda, particularmente comunidades negras e pardas? Eles ainda estão debaixo d'água. & # 8221

O Resurrection Project é uma organização sem fins lucrativos com sede em Pilsen e tem como objetivo aumentar a riqueza dos bairros, conectando os residentes com empréstimos a juros baixos e construindo moradias populares.

A casa própria, observou Raymundo, é uma forma fundamental de as famílias trabalhadoras progredirem. Ele espera ver mais iniciativas do governo Biden para promover essa missão.

& # 8220Precisamos descobrir como, & # 8221 ele disse, & # 8220para reconstruir essas comunidades de cor que foram deixadas para trás. & # 8221

Geoff Smith, diretor executivo do Institute for Housing Studies da DePaul University

No início da pandemia, uma pesquisa do Institute for Housing Studies da DePaul University pintou um quadro sombrio de como o vírus poderia prejudicar desproporcionalmente locatários de baixa renda.

Devido às taxas mais altas de negros morrendo de COVID-19, maior risco para idosos e impacto econômico sobre trabalhadores de baixa renda mais vulneráveis ​​a demissões, o instituto descobriu que a pandemia teria maior impacto sobre os que não eram negros e negros. já sobrecarregado financeiramente.

& # 8220A crise atual irá apenas desestabilizá-los ainda mais & # 8221, disse o diretor executivo do instituto, Geoff Smith. & # 8220Sem ação federal adicional, a situação pode se tornar ainda mais terrível. & # 8221

A assistência para aluguel de moradias para os afetados pelo COVID-19 deve ser uma das principais prioridades de moradia para o próximo governo, disse ele. O instituto, que fornece pesquisas e dados para informar as políticas e práticas de habitação a preços acessíveis, continuou a monitorar o impacto da pandemia & # 8217s sobre a habitação, tanto em Chicago como em maior escala.

& # 8220Há muitas maneiras diferentes de estruturar a assistência para locação de imóveis & # 8221, observou ele. & # 8220Mas no final do dia, este tipo de programa não só ajuda as pessoas a ficarem alojadas, mas também apoia os proprietários, muitos dos quais também estão lutando. & # 8221

Audra Wilson, presidente e CEO do Shriver Center on Poverty Law

A conversa sobre o alívio do aluguel deve se concentrar em como os interesses dos inquilinos e proprietários estão alinhados, disse Audra Wilson, que se tornou a primeira mulher negra presidente do Shriver Center on Poverty Law em junho. A organização anti-pobreza promove a justiça racial e econômica.

& # 8220Nossa maior preocupação agora é que estamos caminhando para uma enorme crise imobiliária que & # 8217s caracterizada por taxas de despejo possivelmente ainda mais altas do que vimos durante a Grande Recessão & # 8221 ela disse. & # 8220O governo federal precisa agir mais como uma seguradora e compensar porque, por definição, não há solução de mercado aqui. & # 8221

Embora os governos local e federal tenham decretado várias moratórias sobre despejos relacionados ao COVID-19, os pagamentos de hipotecas e aluguel atrasados ​​ainda serão devidos assim que essas medidas forem suspensas, potencialmente levando a despejos em massa no final da pandemia.

Os bancos hipotecários privados podem arcar com o fardo com mais facilidade, já que costumam ter seguro contra tais perdas, disse Wilson. Reduzir ou perdoar os pagamentos de hipotecas evitaria que os proprietários e proprietários de imóveis corressem o risco de execução hipotecária, tornando mais fácil para os provedores de imóveis, por sua vez, perdoar dívidas de aluguel.

& # 8220Isso & # 8217 é definitivamente algo que poderíamos defender, & # 8221 disse ela.

Bob Palmer, diretor de políticas da Housing Action Illinois

Antes que o governo Biden possa avançar com novas políticas, o diretor de políticas da Housing Action Illinois, Bob Palmer, disse que deseja reverter algumas regras administrativas propostas pelo presidente cessante Donald Trump.

Entre eles, Palmer disse que o enfraquecimento da regra federal de impacto desigual & # 8212, que fornece recursos para pessoas marginalizadas cujo acesso igual à habitação é negado & # 8212, deve ser interrompido. A regra Afirmativamente Promovendo a Habitação Justa, dedicada a erradicar a segregação nas cidades e subúrbios, também deve ser revivida, disse ele.

Ele também espera que uma regra pendente de Habitação e Desenvolvimento Urbano, que excluiria famílias com uma mistura de status de imigração de moradias públicas e exigiria triagem de imigração para todos os membros da família com menos de 62 anos de idade, não seja finalizada até o final do mandato de Trump & # 8217s.

Mas ainda há muito mais a ser feito, disse Palmer, cujo trabalho se concentra em expandir a disponibilidade de moradias populares de qualidade.

& # 8220É & # 8217 muito simples & # 8212 construir mais moradias, especialmente para as pessoas com rendimentos mais baixos & # 8221, disse ele. & # 8220Ajude as pessoas a pagar o aluguel ou hipoteca aumentando sua renda ou assistência financeira e incentive ou obrigue as comunidades que não desejam aceitar moradias populares a fazerem mais para superar essas barreiras. & # 8221

Ahmadou Dram & # 233, gerente de habitação e desenvolvimento comunitário do Metropolitan Planning Council

Embora o despejo e o alívio da execução hipotecária tenham eventualmente surgido em meio à pandemia, o governo deve promulgar legislação que acionaria automaticamente esses programas durante crises nacionais como o COVID-19, disse Ahmadou Dram & # 233.

Em sua função como gerente de habitação e desenvolvimento comunitário no Metropolitan Planning Council, Dram & # 233 ajuda a organização sem fins lucrativos a defender comunidades mais justas em Chicago por meio de melhores transportes, habitação e iniciativas comunitárias.

Delineando sua visão para os próximos quatro anos, Dram & # 233 também pediu que a regra Afirmativamente Promovendo a Habitação Justa seja restabelecida.

& # 8220Há uma série de outras coisas que eles precisam fazer em torno de uma habitação justa, mas essa em particular precisa acontecer imediatamente, & # 8221 disse ele.

Há atualizações para ferramentas de habitação a preços acessíveis que permitiriam a expansão do estoque de moradias e a preservação do que já existe, mas há outro problema que o Dram & # 233 gostaria de ver resolvido: moradias para pessoas que têm antecedentes criminais ou foram anteriormente encarceradas.

& # 8220Um grupo de programas habitacionais que se destinam a ajudar as pessoas que estão fazendo a transição entre fases da vida & # 8212 e pessoas que estão particularmente em risco de ficar sem teto & # 8212 foram escritos de forma que uma pessoa que foi recentemente libertada de a prisão não poderia tirar proveito dos programas (e) não poderia viver em casas que são mantidas por (eles), & # 8221 disse ele.

Bill Eager, vice-presidente sênior do meio-oeste para preservação de moradias acessíveis

Qualquer abordagem para ajudar as pessoas a ficarem alojadas deve ser multifacetada, disse Bill Eager. O vice-presidente sênior de desenvolvimento imobiliário do Meio-Oeste da organização nacional sem fins lucrativos Preservation of Affordable Housing ofereceu uma agenda legislativa para o novo governo que, segundo ele, se encaixa no projeto.

Entre as iniciativas estaria uma ampliação do programa do governo federal & # 8217s, que fornece empréstimos, créditos fiscais e financiamento de construção para moradias populares para idosos, para atender à próxima onda de baby boomers que estão envelhecendo.

Eager também pede uma expansão dos créditos fiscais para incorporadores de moradias populares com a aprovação da legislação bipartidária e a restauração da Lei de Reinvestimento Comunitário, um importante impulsionador do investimento privado em moradias populares que impele os bancos a fazerem mais para corrigir o desinvestimento histórico em países de baixa renda. para comunidades de renda moderada.

& # 8220Quanto aos itens de curto prazo para se concentrar, é & # 8217s fundamental agora que as pessoas tenham recursos para pagar o aluguel e permanecer alojadas & # 8221, disse ele. & # 8220Os benefícios de desemprego aprimorados no pacote de estímulo inicial foram muito importantes a esse respeito, portanto, gostaríamos de ver mais disso no curto prazo. & # 8221

Gregory Brown, vice-presidente sênior de assuntos governamentais da National Apartment Association

Há uma necessidade urgente de moradias mais acessíveis, disse Gregory Brown, vice-presidente sênior de assuntos governamentais da National Apartment Association.

& # 8220O número que normalmente usamos é o norte de 300.000 novas unidades (por ano) que foram produzidas para atender à demanda & # 8221, disse ele. & # 8220Eu não & # 8217t acho que atingimos esse número mais do que duas vezes em mais de 20 anos. E por isso estamos muito atrasados. & # 8221

Há uma escassez nacional de estoque de moradias em geral, o que não ajuda nas questões, disse Brown, cuja organização com sede em Arlington, Virgínia, defende proprietários e outros fornecedores de moradias.

"Precisamos de muito mais moradias que tornem tudo mais acessível", disse ele. & # 8220 Obviamente, quanto mais oferta você tem, os aluguéis podem cair e podemos obter um estoque mais equilibrado de habitações disponíveis. & # 8221

Nykea Pippion McGriff, presidente da Chicago Association of Realtors

O abastecimento também está na mente de Nykea Pippion McGriff, a primeira presidente negra da Associação de Corretores de Corretores de Chicago. Os créditos fiscais para a construção de casas podem ser um remédio para a escassez, disse ela.

& # 8220Para os últimos três anos, estivemos & # 8217 atrasados ​​no início da construção de novas casas & # 8221, disse ela. & # 8220O foco de Chicago é aquele componente de habitação a preços acessíveis & # 8212 e certificando-se de que é algo que os desenvolvedores serão incentivados a realmente construir. & # 8221

Há entusiasmo em torno da proposta de Biden & # 8217s de oferecer um crédito fiscal de US $ 15.000 para compradores de casa pela primeira vez, disse ela. Isso ajudaria não apenas com as taxas de propriedade de casa em geral, mas especificamente para pessoas de cor a quem foi sistematicamente negada a chance de possuir uma casa por gerações.

& # 8220 Ainda temos que falar sobre a oferta, porque estimular a demanda & # 8212 significa criar compradores adicionais sem abordar a oferta & # 8212 vai impactar os preços médios de venda & # 8221, disse ela. & # 8220Nós precisamos que o presidente Biden resolva a questão do abastecimento. & # 8221

Jeffrey Baker, vice-CEO da Illinois Realtors

Durante o verão, ajudas como o Programa de Proteção de Cheque de Pagamento e Empréstimos de Desastre de Lesões Econômicas funcionaram bem para ajudar as pessoas durante a pandemia, disse Jeffrey Baker, vice-CEO da organização comercial Illinois Realtors.

Estender esses programas em 2021 com outro pacote de estímulo federal seria um grande passo para & # 8220 nos levar através deste túnel COVID & # 8221, disse ele.

& # 8220 Seria ótimo se houvesse alguma ajuda estadual e local incluída lá que pudesse ser vinculada diretamente ao apoio habitacional, & # 8221 Baker acrescentou. & # 8220O setor imobiliário em Illinois, anualmente, representa cerca de 15% a 16% de nosso produto estadual. Portanto, reconhecer isso deve ser abordado em qualquer tipo de pacote de ajuda.

& # 8220 Longo prazo? I think we have to wait and see what (Biden’s) plans are with regard to tax policy.”

Susan Popkin, Urban Institute fellow

Even if federal housing assistance was expanded, there isn’t enough housing stock to satisfy the need, said Susan Popkin, a fellow in the Metropolitan Housing and Communities Policy Center at the Urban Institute, a Washington, D.C.-based think tank that carries out economic and social policy research.

“There’s a lot of talk about a universal voucher program in housing and entitlements, which would be a game changer for family homelessness, but you still have the problem of there not being enough places for people to rent,” Popkin said. “So we need to push both on the supply side and on the increased assistance side.”

Funding could go toward replacing tens of thousands of public housing residences lost between the 󈨔s and now, whether it be with new construction or renovating older buildings, she said.

“I’d like to see them built in a thoughtful way that doesn’t repeat the mistakes of the past,” she said.

Raul Raymundo, CEO of The Resurrection Project, is seen inside a home newly constructed by the organization on South Ada Street in Chicago on Nov. 18.


What are the historical origins of Indian restaurants in the US? Though ubiquitous in large North American cities and smaller towns that dot the landscape, the history of restaurants serving Indian food in the US remains under discussed. Indeed, very little is known about when and where Indian restaurants first appeared in the United States, who frequented these eating establishments and which cities they were located in. . very little is known about when and where Indian restaurants first appeared in the United States, who frequented these eating establishments and which cities they were located in. Scholars, notably Vivek Bald and Krishnendu Ray, have documented evidence of the earliest restaurants. Ray for instance, chronicles some of the early restaurants that existed in New York, while Bald goes into more detail in discussing the historical, cultural and social context of these restaurants. If we look through the historical archives, particularly of newspapers from the 1900s -1920s in New York and Chicago, one notes that Indian cuisine was an occasional topic of discussion. Of note is the fact that both restaurants and Indian cuisine writ large were topics that captured the fancy of journalists.

In an article that appeared in the pages of the New York Times on April 3, 1921, Helen Bullitt Lowry discusses one of the first known restaurants to appear in New York. Towards the end of the article, which discusses the changes wrought on the city of New York by the influx of immigrants from Europe, Lowry mentions the role of immigrant foodways in this new New York. Though the article situates immigration largely as a European phenomenon, towards the end of the article, Lowry addresses the new immigrant cuisines from China and India, mentioning a new addition to New York City’s culinary scape: "Six short weeks ago and Indian restaurant was discovered on Eight Avenue near Forth-second Street. Grave Indian gentlemen, with American clothes but with great turbans on their heads used to come in for their curry and rice. Six short weeks—and already the restaurant is half full of tourists, eagerly peering at each other for turbans and local color.” Though Lowry does not know the name of the restaurant, evidence from other sources suggests that she is referring to the Taj Mahal Hindu Restaurant located at 243 W. 42nd Street. An advertisement for the restaurant appears in the pages of the February 1920 issue of Young India dating the restaurant to a few years earlier, while a search through the archives of the New York Times leads Vivek Bald to note that near boarding houses which were home to South Asian laborers—dock workers, restaurant workers, factory workers—that were located on Eight Avenue were a smattering of South Asian restaurants. Bald notes that only four blocks to the west of the Eight Avenue Boarding house were, “two of the first Indian restaurants in the city, which were four blocks south: the Ceylon Restaurant (est. 1913) on Eighth Avenue at Forty-Third Street and the Taj Mahal Hindu Restaurant (est. 1918) on Forty-Third Street between Ninth and Tenth Avenues, as well as to the Ceylon India Inn, an expansion of the Eighth Avenue Ceylon which was opened in 1923 nearby on West Forty-Ninth Street” (67).

Though there appears to be some discrepancy between the advertisement in Young India and the restaurant’s record of incorporation the 18 May, 1918 issue of the New York Times in terms of where Taj Mahal Hindu Restaurant was located, they appear to be the same eating establishment. And as Bald notes, these restaurants around the four-block radius of Eighth Avenue were also gathering spaces for South Asians to talk about politics, labor and working conditions.

But lest we think Indian food was only a topic of discussion in the early 1920s, we can also turn to the journalistic accounts of Indian food in the Chicago Daily Tribune. Articles from 1909 authored by the prolific writer Saint Nihal Singh frequently address the fascination Westerners in India had for the country’s food. A consistent refrain in Singh’s work is the idea that Indian food is easy to recreate in the US. As such, each article also includes short recipes alongside a narrative explanation of the foodways of contemporary India.

Many studies of Asian American foodscapes focus on the contexts of post-1965 immigration. But as these sporadic articles in the New York Times e Chicago Daily Tribune suggest, Indian food and restaurants were very much part of the affective landscape of the early 1900s. While life would alter dramatically in 1924 with the passing of the Johnson-Reed Act, effectively banning immigration from South Asia, a glimpse into these brief accounts attest to the place of food in the lives of some of the earliest immigrants from South Asia to the Midwest and East coast.


Chewables Chicago

Ada Street's Moscow Mule

In bars throughout Chicagoland this summer, there is a new(ish) must-have drink: the Moscow mule. Served in a shiny, elegantly cool copper mug, Moscow mules are easy to spot. And they are everywhere.

So why are Moscow mules so popular right now? Is it the conspicuous copper mug? Or is it something else?

First, a bit of history. Legend has it the Moscow mule came about in the early 1940s when two distributors – one selling Smirnoff vodka and the other selling ginger beer – found themselves in the same predicament: no one would buy their product. The two sat down at the famed Hollywood Cock n’ Bull, owned by the ginger beer distributor, to drown their sorrows, and in the process ended up creating a classic. They took one part vodka, two parts ginger beer, mixed the two together, threw in some ice, squeezed in a lime, and whalla!, the first Moscow mule was born.

To market the new drink, the two turned to a friend with a copper factory who just so happened to have too many copper mugs lying around (apparently excess product was a not uncommon problem), and they engraved the mugs with the names of famous celebrities who frequented Cock n’ Bull. Turns out we’re not much different now than we were back then, because when the celebrities, attracted to the mules by the personalization (who doesn’t love their own custom mug?), began drinking the quaffs, the masses soon followed.

Fast forward three quarters of a century, and the Moscow mule is enjoying a resurgence in popularity. According to David Willhite, Mixologist at the Bristol, the Moscow mule has been making a comeback since 2006. “People are getting into the classic cocktails. Vodka is popular, and this mix makes it even more enticing to larger audiences,” he said.

And in the past 10 months the revival has been particularly strong, Hubbard Inn’s Director of Operations, Jason Felsenthal, told me. “Ginger beer is popular right now and is one of the main ingredients,” he said. “Also, the vodka companies have created these mugs, and the new vessels have been embraced.”

So, what’s old is new again, even the concept of using copper mugs to market the Moscow mule. But, lest you think we’re all just putty in the hands of great marketers, the experts I spoke to were adamant that while the copper mug is a huge part of the Moscow mule – it keeps the drink fantastically cold – it is not, ultimately, that the mug makes the mule.

Instead, the appeal of the Moscow mule is simply that the drink is refreshing and super easy to make. The mug may make it popular, but, fundamentally, it’s just good drinking.

And was there any secret to a great Moscow mule? At the Bristol, Willhite adds fresh ginger puree. At Hubbard Inn, the crux ingredient is the ice, which is crushed. And at Ada Street, bartender Joseph Sultani uses 42 Below vodka with Gosling ginger beer.

I might add one more – drinking a Moscow mule, outside, on a hot summer night.

Subscribe to Chewables Chicago! Just type your email address in the box below and hit the “create subscription” button. My list is completely spam free, and you can opt out at any time.


See What Your Neighborhood Looked Like From 1920 to 1950 in Our Photo Map

CLOCKWISE FROM TOP LEFT: The intersection of Sheridan Road and Wellington Avenue, Dec. 15, 1936 The intersection of Independence Boulevard and Harrison Street, April 26, 1939 The intersection of Sheridan Road and Devon Avenue, undated and the intersection of South Parkway (Martin Luther King Drive) and 42nd Street, April 27, 1939. View Full Caption

CHICAGO &mdash If you think your neighborhood has changed since you first moved in, you should see what it looked like 60 years ago.

The University of Illinois at Chicago's digital photo collections archive has about 2,300 black-and-white scans of photos of various intersections and notable outdoor areas throughout the city from the 1920s-50s.

The photos come from the Illinois Department of Transportation and appear to have been made for the Chicago Park District's Engineering Section, according to the university.

Photos depict intersections, streets, bridges, snow removal and other traffic features in the city, mainly along major streets.

Many of the photos show the same area from a number of different angles, giving a snapshot early transportation worked and everyday life through a look at businesses, fashion, architecture and more.

We mapped out hundreds of the photos and compared them with Google Street View to show just how much Chicago has changed.

For more neighborhood news, listen to DNAinfo Radio here.


The late night show that gives you the buzz on good food and drink in Chicago.

Nightcap is an original series featuring funny, revealing, and informative interviews com Chicago's best chefs, farmers, authors, bartenders, and more. Shot in front of a live audience at one of the city's top sustainable restaurants, Nightcap brings back the fun and authenticity in talking about good food and drink. Local comedians, sketches and strong cocktails keep the evening entertaining.

Created, produced, and hosted by Chef Alia Dalal. Directed by ojo creative. Photos by tbphotographic.


Assista o vídeo: SMYTH - USA, CHICAGO (Agosto 2022).